quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

TERROR NA FRANÇA

São Paulo – A sede do jornal semanal francês Charlie Hebdo, em Paris, foi alvo nesta quarta-feira de um ataque que deixou ao menos 12 mortos e quatro pessoas seriamente feridas. De acordo com a rede de notícias Associated Press (AP), o episódio foi o mais mortal ato terrorista na França nas últimas décadas.
O jornal é conhecido pelo humor ácido e provocativo com o qual produz as suas charges e, entre os mortos, relatou o Le Monde, estão quatro dos principais desenhistas da publicação: Stephane Charbonnier, conhecido como Charb, Jean Cabut (Cabu), Verlhac Bernard, que assina com o apelido Tignou, e Georges Wolinski.
Corinne Reay, cartunista do jornal conhecida como Coco, contou ao Le Monde que estava de saída quando cruzou com a dupla. “Dois homens armados nos ameaçaram brutalmente. Eles queriam entrar. Eu digitei o código. Atiraram em Wolinski, em Cabu. Tudo durou cinco minutos e eu me escondi embaixo da mesa”, relatou ela.
A razão do ataque e sua autoria ainda são desconhecidas. De acordo com Corinne, a dupla falava francês com fluência e dizia ser do Al-Qaeda. A AP, contudo, lembra que os extremistas do Estado Islâmico (EI) haviam ameaçado atacar o jornal há pouco tempo.
Horas antes, os perfis de Charlie Hebdo nas redes sociais haviam divulgado uma imagem na qual desejavam bons votos a todos. Para Abu Bakr al-Baghdadi, líder do grupo, inclusive.

Nenhum comentário:

Postar um comentário